Sarampo: saiba quais são os principais sintomas e quem pode se vacinar contra a doença

Febre e manchas vermelhas pelo corpo. Tosse, irritação nos olhos e nariz escorrendo ou entupido. Esses sintomas podem ser confundidos com os de uma gripe comum, por exemplo, mas também podem indicar uma doença perigosa que pode deixar sequelas por toda a vida: o sarampo. Para conter a infecção, o Governo Federal realiza até o dia 3 de junho a Campanha de Vacinação contra o Sarampo.

Crianças entre 6 meses e menores que 5 anos e trabalhadores de saúde são o público-alvo da mobilização nacional do Ministério da Saúde. Cerca de 50 mil postos de vacinação seguem abertos para receber o público e imunizar, em duas etapas, a população contra o Sarampo e também contra a Influenza.

As crianças serão imunizadas de forma indiscriminada entre os dias 2 de maio e 3 de junho, mesmo que já tenham recebido o imunizante. Já no caso dos trabalhadores de saúde, esses deverão atualizar a caderneta de vacinação até o dia 30 de abril.

Saiba como identificar os principais sintomas da doença, os riscos e as orientações importantes sobre o sarampo.

Transmissão

O sarampo é causado por um vírus altamente transmissível. A contaminação ocorre quando a pessoa doente tosse, fala, espirra ou respira próximo de outras pessoas.

Sintomas

Outros sintomas da doença podem aparecer em torno de 3 a 5 dias, como manchas vermelhas no rosto e atrás das orelhas, que em seguida se espalham pelo corpo. Após o aparecimento das manchas, a persistência da febre é um sinal de alerta e pode indicar gravidade, principalmente em crianças menores de 5 anos de idade.

Complicações

Alguns grupos são mais vulneráveis aos sintomas mais graves e sequelas causadas pelo sarampo. No caso das crianças, elas podem desenvolver pneumonia, infecções de ouvido e encefalite. A pneumonia em decorrência do sarampo também é comum em adultos.

Já para as gestantes, o sarampo pode causar o parto prematuro e o bebê pode nascer com baixo peso. É importante que a mulher se vacine antes de engravidar, já que a dose é contraindicada durante a gestação.

Tratamento

Não existe tratamento específico para o sarampo. Os medicamentos são utilizados para reduzir o desconforto ocasionado pelos sintomas da doença. É importante não fazer uso de nenhum medicamento sem orientação médica e procurar o serviço de saúde mais próximo, caso apresente os sintomas.

Prevenção

O Ministério da Saúde reforça que a vacinação é a forma mais eficaz de prevenção contra o sarampo. Os critérios de indicação da vacina são revisados periodicamente pela Pasta e levam em conta a idade, a ocorrência de surtos e os grupos mais afetados nessas situações, além de outros aspectos epidemiológicos.

No Sistema Único de Saúde (SUS), a vacina que protege contra a doença é a tríplice viral, que também previne contra a caxumba e a rubéola. No Calendário Nacional de Vacinação, a vacina está disponível para pessoas de 12 meses a 59 anos de idade, sendo recomendadas duas doses até 29 anos e uma dose de 30 a 50 anos, em pessoas não vacinadas.

Os trabalhadores da saúde têm indicação de receberem duas doses da vacina tríplice viral, independentemente da idade.

Campanha de vacinação de 2022

A vacinação é a forma mais eficaz e segura para prevenir a doença. Por isso, desde 4 de abril o Ministério da Saúde realiza a Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo e a Influenza, que acontece em duas etapas. Os primeiros a serem vacinados contra o sarampo são os trabalhadores da saúde que ainda não tomaram a tríplice viral.

A segunda etapa será realizada entre 2 de maio e 3 de junho, atendendo a crianças com idade entre 6 meses e menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias). Nesse caso, será administrada uma dose da vacina contra o sarampo, independentemente se a criança já tenha tomado ou não o imunizante.

As crianças também farão parte do público-alvo do Dia D de vacinação, marcado para o dia 30 de abril. É importante reforçar que a vacina tríplice viral está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde durante todo o ano.

Vale lembrar ainda que os imunizantes contra a Gripe e o Sarampo podem ser administrados no mesmo dia, sem necessidade de cumprir intervalo entre as doses.