Pedras nos Rins – Aprendendo a evitar

Pedras nos Rins – Aprendendo a evitar

Existem 4 tipos de pedras nos rins: oxalato de cálcio, ácido úrico, estruvita e cistina, e cada tipo exige um cuidado diferente na alimentação. No entanto, nem sempre é possível saber o tipo de pedra que se tem, pois para isso é necessário expelir uma pedra pela urina e levá-la para análise laboratorial.

Dicas para prevenir a formação de pedras nos rins

1. Beber mais água

É necessário beber de 2 a 3 litros de água por dia. A principal causa de pedra nos rins é a desidratação, portanto, reidratar-se é o primeiro passo para evitar a formação de pedras nos rins.

2. Suco de laranja ou limão

Beber 1 copo de suco de laranja ou de limonada diariamente, quando se tem a certeza de que as pedras não são de oxalato de cálcio, pois essas frutas são abundantes em ácido cítrico, que quando consumido, dá origem a um sal chamado citrato, que impede a formação de cristais e de pedras no organismo.

3. Evitar proteínas em excesso

O consumo exagerado de proteínas de carnes ou qualquer produto de origem animal, como a manteiga, por exemplo, aumenta a produção de ácido úrico, outro dos principais componentes das pedras no rins.

4. Diminuir o sal

O sódio facilita a deposição de sais no organismo e, por isso, deve ser evitado. Além do sal comum usado para temperar os alimentos, produtos industrializados como temperos em cubos, molhos para salada, macarrão instantâneo e carnes processadas como bacon, presunto, apresuntado, linguiça e mortadela, também são ricos em sal e devem ser evitados.

5. Evitar alimentos ricos em oxalato

Evitar o excesso de oxalato na alimentação ajuda a prevenir principalmente os casos de pedras de oxalato de cálcio. Assim, o cálcio não é o principal causador dessas pedras, mas sim alimentos ricos em oxalato, como amendoim, ruibarbo, espinafre, beterraba, chocolate, chá preto e batata doce.

6. Chá de quebra-pedra

Tomar o chá de quebra-pedra diariamente por até 3 semanas favorece a eliminação das pedras nos rins, pois este chá tem ação diurética e propriedades que relaxam os ureteres, que são os canais que levam a urina dos rins até a bexiga. É durante a passagem da pedra pelos ureteres que a dor surge.