Lista de medicamentos que põem a vida de idosos em risco

Lista de medicamentos que põem a vida de idosos em risco

Ao envelhecermos todo nosso organismo envelhece junto. Órgãos como rins e fígado são os mais atingidos quando tomamos medicamentos. Com isso, alguns tipos de remédios, como os usados para dormir, os antialérgicos e os antipsicóticos, ao invés de trazerem benefícios, oferecem risco à vida quando usados por pessoas idosas. O perigo foi apontado por um estudo desenvolvido pela farmacêutica Mariana Gonzaga, no Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a partir de uma pesquisa feita com 1.371 moradores de Bambuí, na região Centro-Oeste de Minas.

A Pesquisa

Entre os idosos voluntários do estudo – que foram acompanhados durante 14 anos pelo laboratório de Antropologia e Envelhecimento da Fiocruz –, 56% utilizavam pelo menos um dos chamados Medicamentos Potencialmente Inadequados (MPI), que provocam maior mortalidade.

Os antipsicóticos como haloperidol (Haldol) e clorpromazina (Amplictil) estavam na lista de apenas 3% dos idosos, mas fazem parte do grupo de remédios que mais representou risco de morrer para pessoas com mais de 60 anos. Na sequência, aparecem os antialérgicos, como desclorfeniramina (Polaramine) e dimenidrato (Dramin), usados por 18% do grupo e, por fim, os remédios para dormir (benzodiazepínicos), como diazepam (Valium) e clonazepam (Rivotril) – tomados por 15% dos idosos.

O uso dessas drogas aumentou em 44% o risco de morrer, conforme a pesquisa. Para os idosos, os remédios citados causam reações adversas, como sonolência profunda, predisposição a queda e fraturas, que reduzem a qualidade e o tempo de vida.

Veja também:

Exercícios para controlar a hipertensão

Lista de medicamentos que põem a vida de idosos em risco

Lista de medicamentos perigosos

O uso de pelo menos um dos medicamentos abaixo aumenta a mortalidade entre idosos (mais de 60 anos). A conclusão está na tese de doutorado da farmacêutica Mariana Gonzaga após estudar a população que utilizava os medicamentos e que tiveram maior risco de morrer. Eles foram entrevistados anualmente por 14 anos, numa coorte (pesquisas populacionais em longo prazo feitas para gerar diferentes estudos) realizada em Bambuí, Oeste de Minas. Os resultados apontaram para a necessidade da seleção de alternativas terapêuticas mais seguras para os idosos.

ANTI-HISTAMÍNICOS (Antialérgicos) DE PRIMEIRA GERAÇÃO:

Bronfeniramina
Carbinoxamina
Clorfeniramina
Clemastina
Ciproeptadina
Dexbronfeniramina
Dexclorfeniramina
Dimenidrato
Difenidramina
Doxilamina
Hidroxizina
Meclizina
Prometazina
Triprolidina

BENZODIAZEPÍNICOS (remédios para dormir)

Alprazolam
Estazolam
Lorazepam
Oxazepam
Temazepam
Triazolam
Clorazepato
Clordiazepóxido
Clonazepam
Diazepam
Flurazepam

ANTIPSICÓTICOS

Clorpromazina
Flufenazina
Haloperidol
Loxapina
Pimozida
Promazina
Tioridazina
Trifluoperazina
Aripiprazol
Asenapina
Clozapina
Olanzapina
Paliperidona
Quetiapina
Risperidona
Ziprasidona