Cirurgia plástica na Terceira Idade

Cirurgia plástica na Terceira Idade

Embora envelhecer seja um processo natural do corpo e que acontece com qualquer um, não significa que pessoas na terceira idade precisam ficar conformados com as rugas, linhas de expressão e flacidez que aparece após uma determinada idade. Cada vez mais atentos à aparência, homens e mulheres com mais de 60 anos investem em tratamentos que diminuem os sinais do envelhecimento. Entre as técnicas mais escolhidas estão: massagens estéticas, peelings e tratamentos com lasers para rejuvenescer a pele. Estão a um passo da Cirurgia plástica na terceira idade.

Mas, será que é possível investir também na cirurgia plástica na terceira idade?

A cirurgia plástica na terceira idade também é uma possibilidade. Existem vários procedimentos cirúrgicos para buscar um remodelamento que harmonize os traços, deixando a face com resultados naturais. Alguns dos procedimentos mais procurados são: a blefaroplastia (retirada dos excessos pele e gordura nas pálpebras), ritidoplastia (correção de rugas e flacidez facial) e tratamentos de pele como botox.

Nos tratamentos para o corpo, os mais procurados são a lipoaspiração, que remove o acúmulo de gordura corporal, e mastopexia ou lifting mamário para a flacidez da mama.

Veja também: A Beleza da mulher da Terceira Idade

É necessária uma minuciosa pesquisa médica

Antes de realizar qualquer procedimento é preciso realizar uma bateria de exames para identificar se a pessoa possui algum problema de saúde que interfira na cirurgia, como diabetes, problemas cardiovasculares ou hipertensão.

Existem riscos?

A principal preocupação de quem deseja se submeter à um procedimento cirúrgico é sobre os riscos. Entretanto, a boa notícia é que hoje em dia, os riscos de uma cirurgia plástica na terceira idade são menores do que há anos atrás, por causa da evolução das medidas antienvelhecimento.

Porém, como nesta idade as pessoas são mais propensas a doenças como diabetes e hipertensão, importa manter uma atenção na escolha do seu cirurgião e nos exames pré-operatórios. O ideal é que se faça uma avaliação pré-anestésica para avaliar se existe alguma alteração que possa comprometer a sua saúde.