Andropausa – A menopausa masculina

Assim como acontece com as mulheres na menopausa, os homens também passam pelo declínio hormonal, ao se aproximarem da idade madura. Mesmo que não ajam maiores complicações, algumas adaptações precisam ser consideradas para que a qualidade de vida continue satisfatória. No entanto, existem casos que que a andropausa é patológica e precisa ser diagnosticada por um profissional da área, para que seja devidamente tratada, de forma a amenizar maiores desconfortos.

De acordo com o urologista Aguinaldo Nardi, do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais da USP, ao contrário do que o nome sugere, não existe uma pausa, mas sim uma diminuição na produção e consequentemente circulação do hormônio testosterona no organismo dos homens à partir dos 40 anos.

A Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia diz que cerca de 15% dos homens entre 50 e 60 anos possuem Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino. As chances de desenvolver a doença aumenta com a idade, sendo 50% para maiores de 80 anos.

Andropausa – A menopausa masculina

Sintomas da andropausa

Os sintomas mais comuns são:

  • Fadiga;
  • Perda de massa óssea e muscular;
  • Aumento da gordura visceral (na barriga);
  • Comprometimento da memória e funções cognitivas;
  • Mudanças de humor (irritabilidade, angústia, picos de emoção);
  • Diminuição ou perda da libido;
  • Diminuição do número de ereções noturnas ou matinais;
  • Disfunção erétil;
  • Pele seca;
  • Fogacho (calorão);
  • Anemia;
  • Queda de cabelo e/ou crescimento reduzido da barba e redução dos pelos do corpo.

Veja também:

4 hábitos para um envelhecimento saudável

Qual o tratamento?

O tratamento da andropausa é a reposição hormonal, que irá acompanhar o homem até o fim da vida, por se tratar de uma doença sem cura. Essa reposição pode ser feita através de:

Adesivos

Forma indolor e menos invasiva de receber a testosterona. O adesivo é colado na pele dos braços, coxas, abdômen ou nas costas. O hormônio entra lentamente no organismo ao longo do dia.

Gel

Esta opção é um pouco mais delicada, já que a solução em gel pode ser transmitida de uma pessoa para a outra. O método de aplicação é feito diretamente na pele.

Comprimidos

Ingeridos oralmente após as refeições, os comprimidos servem como doses diárias de testosterona.

Injeções

As injeções são aplicadas de uma a duas vezes por mês. Assim como os comprimidos, elas possuem contra indicações para os homens com doenças cardíacas, renais ou com muito cálcio no sangue.