Idosas no Japão cometem crimes para morar na cadeia

Idosas no Japão cometem crimes para morar na cadeia

Uma matéria recente da Bloomberg, diz que há um aumento repentino de crimes praticados por pessoas da terceira idade no Japão, mais especificamente cometido por mulheres. A parte mais curiosa desta informação, se podemos chamar dessa maneira, é o motivo pelo qual estes crimes tem sido cometidos, fazendo com que uma em cada cinco mulheres presas sejam idosas: Elas escolhem ser presas por achar que na cadeia será melhor do que ficar em casa, por causa da solidão.

Pequenas infrações são cometidas com o objetivo de que a condenação as livre do convívio de familiares abusivos e da pobreza. Embora o cuidado para com os idosos seja uma responsabilidade da família, existem cerca de 6 milhões de idosos que moram sozinhos naquele país. Nove em cada dez destas mulheres foi presa por furto.

Veja também:

depressão, um perigo na terceira idade

O problema do Japão

O Japão é a décima população do mundo, com 127 milhões de habitantes, de acordo com o censo de 2010. Considerando a pequena extensão territorial, cada quilômetro quadrado para 336 habitantes. O Brasil é o sexto país mais populoso do mundo (com 207 milhões de habitantes), mas tem somente 23,8 indivíduos por quilômetro quadrado.

Por que um país com tanta gente tem pessoas que sofrem com a solidão? De acordo com a Bloomberg, muitas dessas mulheres passam por dificuldades financeiras e outras, que ainda estão com seus familiares, sentem-se inúteis ou que só servem para realizar tarefas domésticas.

Uma das prisioneiras disse que após a morte do marido, ficou totalmente sozinha. “Fui até o mercado para comprar vegetais e vi uma carne. Como não tinha dinheiro para comprar, peguei”, explica.

Por enquanto, nem o governo ou o setor privado conseguiram criar um programa para cuidar apropriadamente dessa parcela da população. Os custos médicos para manter as presas têm crescido muito, com aumento de 80% nos últimos 20 anos.

Embora haja cuidadores durante o dia nos presídios, no período noturno os guardas precisam ajudar essas idosas a realizar tarefas como ir ao banheiro, por exemplo.

Solidão e abandono

“Estava morando sozinha e recebendo ajuda do governo. Costumava morar com a minha filha, mas gastei todas as minhas economias com meu genro, que era abusivo e violento”, contou uma senhora de 89 anos que foi presa por roubar arroz, morangos e remédio para gripe. Ela está cumprindo pena de um ano e meio.

Outra mulher de 78 anos disse que a prisão é um “oásis” para ela. “É um lugar de descanso e conforto. Não tenho liberdade aqui, mas também não tenho nenhuma preocupação. Tenho mais pessoas para conversar e fazemos alimentações nutritivas três vezes ao dia”, disse à Bloomberg. Ela completou contando que a filha vem visitá-la uma vez por mês. “Ela diz ‘Não sinto pena de você. Você é patética. ‘”, revelou.

O Japão tem a população mais velha do mundo, com 27,3% dos habitantes com 65 anos ou mais. A promotoria japonesa está tentando resolver a situação, assegurando cuidados especiais e programas sociais para essas idosas. Mas sem o apoio dos familiares elas acabam deprimidas e solitárias, ao ponto de buscar ajuda até na cadeia.