Casa de repouso para músicos da terceira idade em Milão

Casa de repouso para músicos da terceira idade em Milão

A Casa Verdi é uma suntuosa mansão em estilo neogótico construída no centro de Milão por Verdi. Terminada em 1899, o edifício foi criado com a finalidade de ser um santuário para repouso de músicos que chegaram à velhice em uma situação de pobreza. É uma oportunidade para viverem o restante de suas vidas no mesmo tipo ambiente em que viveram a vida toda.

Casa de repouso para músicos

“Velhos cantores que não foram favorecidos pela sorte, ou que, quando jovens, não tiveram a virtude da parcimônia”, escreveu Verdi em uma carta, na época.

Aposentadorias e seguro social reduziram a necessidade econômica de um refúgio como este, afirmou Roberto Ruozi, presidente da Fundação, que usa investimentos feitos com os royalties das óperas do compositor para financiar a casa. Os seus hóspedes pagam pela casa de repouso proporcionalmente aos recursos que recebem.

Entretanto, a Casa Verdi recebe anualmente muitas solicitações de compositores, regentes, cantores, músicos de orquestra, professores de música e qualquer outro que “exerceu a arte da música como profissão”, segundo o site  da fundação. Depois que os candidatos demonstraram a autenticidade dos dados sobre a profissão, o conselho da Casa Verdi escolhe a pessoa que os seus membros consideram mais adequada.

O local é mantido pela Fundação Giuseppe Verdi e ajuda idosos em situação de pobreza.

Os aprovados passarão os últimos anos de sua vida em um lugar onde, além do quarto, pensão e assistência médica, poderão desfrutar de concertos, salas de música, 15 pianos, um enorme órgão, tímpanos, harpas, e a companhia dos seus pares. “Atualmente, a maioria dos nossos clientes não está em boas condições econômicas, mas deseja continuar se apresentando, e a estar envolvida com a música”, disse Ruozi.

Veja também:

Asilos de luxo com serviços de hotel

5 plantas para você cultivar dentro de casa

A clientela da Casa Verdi tem as mesmas necessidades das pessoas idosas, com exceções, ele acrescentou: “Primeiramente, os hóspedes precisam de música. Em segundo lugar, querem ser tratados não como pessoas comuns, mas como hóspedes especiais – como estrelas”, Ruozi suspirou. “Temos 60 músicos idosos, e 60 estrelas”.