AS ÁGUAS DO RIO SÃO FRANCISCO CHEGAM AO RIO GRANDE DO NORTE.

APÓS 16 ANOS DO INÍCIO DAS OBRAS, O GOVERNO ATUAL CONCLUI AS OBRAS.

O sonho de garantir água em quantidade e qualidade para o semiárido nordestino vai virar realidade.  Após mais de 16 anos de espera, os eixos norte e leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco foram concluídos e, nesta quarta-feira (9), as águas do Velho Chico finalmente chegaram ao Rio Grande do Norte. O presidente Jair Bolsonaro e o ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, participaram de evento de chegada de água no município de Jardim de Piranhas (RN).

“Aqui mostramos que temos respeito, que temos responsabilidade e que cumpriremos nossa missão. Vamos garantir que em breve, ainda este ano, uma transposição completa para o seu São Francisco seja boa para a tranquilidade do nosso país” , disse o presidente Jair Bolsonaro.

Em 2016, apenas 16,15% do eixo norte e 15,67% do eixo leste estavam em operação. Em 2019, nos primórdios deste governo, os percentuais para Norte e Leste eram de 31,54% e 100%, respectivamente. Atualmente, ambos os eixos estão com 100% de execução.

Desde 2019, o governo federal investiu 3,49 bilhões de reais para tornar a água do rio São Francisco acessível ao Ceará e ao Rio Grande do Norte, e pelo eixo norte até a Paraíba – o estado desde 2017 tem sido abastecido pelo eixo leste. Isso representa 23,94% de todos os projetos destinados ao trabalho, com uma média anual de R$ 1,16 bilhão, a maior de qualquer poder executivo do governo federal. De 2008 a 2015, as doações representaram 56,68% do total (R$ 1,03 bilhão por ano), e de 2016 a 2018, foi de 19,38% (R$ 942,4 milhões por ano).

Quando todas as obras complementares estiverem concluídas, 16,47 milhões de brasileiros de 565 cidades de sete estados do Nordeste serão beneficiados pelas águas do Rio São Francisco.

barragem

Pela manhã, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Rogério Marinho visitaram a construção da Barragem de Oiticica, em Jucurutu (RN), iniciada em 1952.

Porta de entrada para as águas do Rio São Francisco, no Rio Grande do Norte, a estrutura está praticamente pronta para atender cerca de 330 mil pessoas de oito cidades do Rio Grande do Norte, além de ajudar no controle das enchentes na área e permitir a ampliação da área irrigada área da bacia do Piranhas-Açu para 10.000 hectares. O governo federal forneceu cerca de 300 milhões de reais para a estrutura desde 2019.

Também foi assinada uma ordem de serviço para a segunda fase das obras de pavimentação em Jucurutu, ligando a sede municipal ao bairro Serra de João do Vale. Com investimento de R$ 6,9 milhões, serão realizados terraplenagem, drenagem e obras de arte existentes, sinalização, pavimentação e cruzamento com a BR-226/RN.

novo ciclo

Além de concluir todo o eixo norte e colocá-lo em operação, o governo federal também iniciou um novo ciclo, retomando o projeto original de transposição e, consequentemente, com Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte. Os moradores fizeram uma promessa.

Um desses projetos originais é o Ramal do Apodi no Rio Grande do Norte. Essas obras já estão em andamento. A estrutura levará as águas do eixo norte do projeto São Francisco para 54 municípios de Portigua, 32 da Paraíba e 9 do Ceará, beneficiando 750 mil pessoas. O investimento federal é de R$ 938,5 milhões. A obra estava prevista para 2004, mas foi abandonada ao longo dos anos, e a construção do projeto só começou em 2021.

Os outros dois projetos originais restaurados pelo governo federal são o Ramal do Agreste, o maior projeto hídrico de Pernambuco, a ser concluído em 2021, com 99% das obras e repasse de recursos realizados pela atual gestão, e o Ramal do Agreste. Salgado do Ceará, cujas obras já estão em licitação.

 Somados, os Ramais do Agreste, Apodi e Salgado contam com 222 quilômetros de canais.

Também em terras potiguares, o Governo Federal deu início ao Sistema Seridó, que vai abastecer cerca de 280 mil pessoas em 24 municípios potiguares. Já estão sendo produzidos o projeto executivo e estudos complementares necessários para o começo das obras. A estimativa é de que sejam investidos cerca de R$ 280,6 milhões para a construção de mais de 330 quilômetros de canais adutores, estações de bombeamento e de tratamento e pontos de captação de água.