Um pedido do meu filho ao completar 17 anos.

Um pedido do meu filho ao completar 17 anos.
Aerial view of Buenos Aires city with Obelisk and 9 de julio avenue at night - Buenos Aires, Argentina

Há alguns anos atrás tudo era diferente. Pedidos e vontades, situações e realidades.
Sei através de relatos e por algumas lembranças, que eu e minha família tinhamos outro modo de ver a vida, por conta do momento que vivíamos.
Os meses eram grandes férias, os dias grandes aventuras, o tempo era apenas passageiro. Me lembro bem e com muita saudade dos eternos momentos de aventura que meus pais Marcelo e Evany proporcionaram a mim e minha irmã Marília. Dias de acampamento no quintal, dias de pizza no capô do carro à beira-mar, zig-zag na estrada, músicas inventadas, esconde-esconde no supermercado, tudo era só diversão. Nada de preocupação.
Os pedidos eram: Patinetes, bicicletas, bolas, espadas de plástico, arminhas de espoleta e sandálias do Mickey.
As vontades eram um dia sermos adultos e termos um bom emprego…
Me lembro bem de todas estas coisas. Me lembro de dias em que depois do culto de domingo meu pai dizia:

 – Tinhá ( é como ele chama minha mãe ), vamos viajar?
E eu e minha irmã ficávamos loucos no banco de tráz do carro, dizendo: Vamos mãe! Aceita! Aceita!
Lembro também de dias em que, momentos antes de irmos pra escola, íamos pra cama deles e eles falavam pra não irmos pra aula, para que ficássemos juntos ali. Recordo-me em como todos torciamos pra acabar a luz, para que pudéssemos ficar em volta de uma vela contando histórias…
Tudo era festa.

Mesmo em tempos de dificuldades a ponto de não haver leite ou comida em casa e eu feliz por que ia tomar Kisuco!
Tempos quando moramos numa Casa de Recuperação para Drogados e eu ia com meu pai ao Ceasa pra pegar legumes nos cestos de lixo, e achava muito legal… Como disse antes, tudo era aventura…

Bem, mas o tempo foi passando e eu fui ganhando conhecimento junto com liberdade, e consequentemente: responsabilidade, maturidade e “curiosidades”.

A vida passou a ter um “peso”.

Começaram os horários, as regras, os compromissos e vontades diferentes. A realidade mudou.

Mas em todas estas etapas vocês, minha família, sempre me ensinaram o amor em primeiro lugar. Me ensinaram a honrar os compromissos e ter educação; me ensinaram a transformar as “maldições” em “bençãos” e a não reclamar. Me ensinaram a respeitar os outros e, o mais importante, me ensinaram a andar nos Caminhos do Senhor Jesus!
Ensinaram-me a ter um amor incondicional por Ele, me mostraram e provaram com fatos que em todas as áreas de minha vida Deus está presente.
Vocês, pai e mãe, me ensinaram a estar sempre alerta e ajudar o próximo em toda e qualquer ocasião, e que minha honra vale mais que minha própria vida. Me ensinaram a ter paixão pelo trabalho voluntário e por missões.
Lembro-me que quando mais novo, ao me perguntarem se eu iria ser um pastor eu respondia: Deus me livre! Mas hoje o trabalho de vocês e o amor pela vida em primeiro lugar me contagiou.
Hoje tenho prazer em falar, ensinar e pregar o amor de Cristo!

Neste aniversário de 17 anos quero que vocês saibam: Marcelo, Evany e Marília; aquilo que sou hoje devo a vocês!

E agora, homem quase formado, faço o “Pedido”:
 – Continuem cuidando de mim e me amando. Conduzindo-me nos Caminhos do Senhor, pois como o vocês sempre dizem: Só nEle tenho Palavra de Vida Eterna!

Amo vocês!

Assinado: Matheus.