Pandemia e Pausa

Pandemia e Pausa

A vida se impõe e nos reivindica adaptações.
É bastante sugestivo que a amenização do Covid-19 que nos acomete esteja associada à pausa. O isolamento é a melhor prevenção contra o novo coronavírus.Mas o isolamento pode ser muito bom; pois ele pressupõe pausas em diversos setores da sociedade.
Parem as fábricas, indústrias, escolas, igrejas, teatros, centros esportivos, academias, shoppings, boates, bares, restaurantes (só não parem os profissionais da saúde e da segurança; a eles nossa gratidão!) E isso é ótimo à vida já tão inflamada de exploração, à Terra tão doente do uso abusivo de seus recursos; aos workaholics sem tempo para si; aos avarentos amantes do dinheiro e aos consumistas compulsivos.
A vida reivindica modéstia. Que os empresários ganhem menos, os cartórios e os bancos também. Parem todos de produzir, por um lapso de tempo que seja, até mesmo a indústria do entretenimento.
A vida pede descanso, uma pausa para recuperar os seus recursos, para que os seres se reproduzam e a Terra se renove. (Já se sabe que poluição do ar na China e Itália já diminuiu consideravelmente com a pausa que a população precisou fazer!).
Menos carros nas ruas, navios nos mares, barcos nos rios. Menos pescas e caças. Parar é um imperativo, senão é o fim. Só os loucos, assassinos, desumanos, narcisos, orgulhosos, megalomaníacos não atendem o apelo da vida.
E nesse isolamento a nós imposto, estamos todos ligados: amigos e inimigos, afetos e desafetos; ainda que não concordemos uns com os outros nos assuntos da economia, da fé, da política, somos exigidos a nos unir na decisão pela a quarentena. O que a política e a religião não puderam fazer, a pandemia fez!Nesse isolamento, pais e filhos estarão mais juntos. Tomara que se percebam, conversem, se ouçam, brinquem. Agora terão mais tempo!
Nesse período de confinamento devemos inventar novas maneiras de encontros, afetos, fé, diálogos e esperança. Isolados, mas que não nos falte amor.Confinados, mas sem abandonar projetos e sonhos.
Em quarentena, mas vivos.
E depois que descer a curva parabólica da pandemia, que possamos ter aprendido um novo jeito de viver com responsabilidade pela vida humana e os recursos da Terra. Que essa pausa renove os afetos!

Márcio Cardoso
Instagram: @marciocardosobr