A espiritualidade e a terceira idade

A espiritualidade e a terceira idade

Somos seres em constante crescimento e transformação. Essas mudanças acontecem em todas as áreas de nossas vidas, inclusive na espiritualidade. O fato de estarmos na terceira idade não nos exclui dessa característica humana.

Tanto física, emocional ou espiritualmente temos experimentado essa metamorfose desde antes de nos reconhecermos como gente. Sim! As crianças começam a engatinhar e logo estão dando os primeiros passos. Essa capacidade continua se desenvolvendo até que seu corpo alcance a plenitude.

Dessa mesma forma, nossa espiritualidade vem se desenvolvendo desde os nossos primeiros vislumbres de lucidez e vai se aprimorando ao longo da vida.

 O que é espiritualidade

Conceituar espiritualidade não é tão difícil. O mais complicado é nos desvencilhar dos preconceitos e concepções populares que, em muitos casos nascem de uma visão distorcida da realidade.

Espiritualidade não é religiosidade, embora também aconteça nela.

Espiritualidade é essa capacidade humana de dar um significado às coisas da vida, que sejam maiores do que elas mesmas. Significado este que transcende o lógico tangível e busca uma explicação que nos conecta a algo superior, coletivo existencialmente.

É fazer da vida mais que a simples tarefa de se manter vivos! Ou manter a segurança para dias sombrios. Essa força que nos leva a arriscar algo fora do rumo da manada, pelo frescor da possibilidade de que uma pequena atitude nos conecte com um sentido de existência maior do que nós mesmos!

Espiritualidade na terceira idade

Sabe por que a morte não nos desespera? Exatamente porque já temos crescido espiritualmente!

O simples fato de não ter mais 50 anos de vida pela frente já colocaria qualquer jovem de 20 anos em agonia emocional e existencial!

Mas a nós, não provoca tanto, pois adquirimos uma estrutura que nos faz entender a existência de uma forma abrangente! Seriamos os mais infelizes dos seres se não fosse assim!

Tantas dezenas de anos nos ensinaram muito! Saibamos nos livrar das reclamações e murmúrios exagerados e semeemos as gotas dessa experiência que conquistamos de forma que aqueles que vêm atrás de nós possam ver em nossas palavras e ações que a vida vale a pena e que:

“… é bonita, é bonita e é bonita!”