Espiritualidade Além da Religião

Espiritualidade além da Religião

Vivemos um tempo estranho. Quanto mais amadurecemos como civilização, mais nos embrenhamos em caminhos equivocados em direção a tal felicidade. Quanto mais nos conhecemos como espécie, menos conseguimos experimentar uma verdadeira espiritualidade.

Todo o desenvolvimento tecnológico que deveria nos proporcionar vidas mais leves e simples acaba por criar grandes estruturas imaginárias que nos aprisionam e complicam cada vez mais nossa existência.

A busca desenfreada pelo consumo é um dos maiores exemplos desse desastre. Queremos possuir bens por achar que eles nos proporcionarão qualidade de vida. Daí nos enchemos de coisas que se transformam em pesos que acabam sugando quase toda a nossa energia. Sim, os objetos tem a tendência de piorar nossas necessidades emocionais ao invés de apoiá-las.

Na verdade quanto mais livre de materialidades me encontro, mais espaço sobra para a espiritualidade, que é a verdadeira trilha para a felicidade.

Quanto mais acumulamos, mais nos tornamos infelizes e ansiosos. Já percebeu como as pessoas consumistas são antissociais? Quanto mais possuem, menos contentes e equilibradas estão! Carregam o peso do vazio que buscam em vão preencher. Vazio este que na realidade está dentro delas e só pode ser preenchido de sentido no preenchimento espiritual!

Estamos habituados a falar de espiritualidade somente quando nos referimos ao ambiente religioso. E realmente o meio da religião nos proporciona ótimas oportunidades de ampliar nossa espiritualidade, porém, a religião é apenas uma das muitas maneiras que temos ao nosso alcance para alcançar plenitude. Aliás, quando a única expressão de espiritualidade que temos é a religião, estaremos à mercê dos exageros e desequilíbrios que temos assistido mundo afora nesta temática.

O chão que possibilita uma espiritualidade pujante e fecunda se chama simplicidade!

Olhe para o cenário que se apresenta em nosso planeta. Pessoas  partem numa acumulação irrefletida, diante de tantas necessidades e ausências! Longe do que se chamaria “suficiente”. Isso sinaliza de maneira gritante o caminho errado em que as coisas vão!

Uma vida simples, onde a espiritualidade é possível começa em um exame sincero sobre nossa maneira de viver e o sentimento que temos para com as coisas que possuimos! Tomando uma atitude de abandonar o supérfluo, desfazer das coisas com reflexos negativos, aquelas que nos emperram! Rapidamente sentiremos o sabor da liberdade! Verdadeiro alívio de um peso desnecessário que ia sendo carregado.

Logo perceberemos que a vida simples não é uma vida vazia, mas sim cheia de significados!